fb-embedCapacitação: a chave mestra para um crescimento exponencial HSM Management

Gestão de pessoas

4 min de leitura

Capacitação: a chave mestra para um crescimento exponencial

O desenvolvimento de uma cultura de aprendizagem contínua é essencial para as PMEs se manterem competitivas

Gustavo Maierá

15 de Dezembro

Compartilhar:
Artigo Capacitação: a chave mestra para um crescimento exponencial

Nos artigos anteriores da série O maior desafio da humanidade, conhecemos alguns fatores que trouxeram um impacto profundo na busca por talentos qualificados em tecnologia. O recrutamento e seleção das empresas foi modernizado, pessoas especialistas foram devidamente posicionadas, no entanto, estas estratégias ainda não são suficientes para atender a sede por digitalização.

O Fórum Econômico Mundial afirma que, devido à transformação digital, precisaremos capacitar mais de 1 bilhão de pessoas até 2030. E até 2022, espera-se que 42% das habilidades essenciais necessárias para desempenhar as funções existentes sejam alteradas. Se hoje o ensino superior não consegue atender a demanda latente, parece nítido que para o futuro também não conseguirá causar uma transformação real da força de trabalho, pelo menos não com a velocidade que precisamos.

Caso elevar salários indefinidamente não seja uma estratégia válida em sua organização, saiba que é preciso uma revolução nos processos destinados a atrair, capacitar e manter pessoas altamente capazes, com olhar estratégico e respaldo da alta gestão. Embora o desafio seja enorme, é justamente este que deve ser perseguido, visto que os resultados já foram calculados e são expressivos, como afirmam as pesquisas recentes do Linkedin Workplace Learning:

Linkedin Workplace Learning

Um olhar estruturado para novos cargos e necessidades de aprendizado (em linha com os objetivos e metas da organização) permite sair da subjetividade e paralisia para a criação de programas abrangentes que contribuem para a redução do risco operacional e a melhoria do ciclo de vida dos talentos.

Aprendizado no fluxo de trabalho

Assim como hoje é possível criar websites de maneira quase automática, muitas funções desafiadoras também serão automatizadas pois, eventualmente, o problema será tão grande que alternativas como no-code e GPT3 irão substituir grande parte das atividades do desenvolvimento de software. Entretanto, mudarão apenas as formas de execução dessas atividades, porque continuaremos a necessitar pessoas hábeis para utilizar estas alternativas com o rigor necessário.

Prover ferramentas e processos para que cada colaborador consiga desempenhar tarefas cada vez mais complexas e essenciais deve ser objetivo de todos os departamentos, contudo em alguns casos estas ações são reprimidas em sua gênese pelo medo de formar pessoas que talvez se desligarão em pouco tempo. Pior seria trabalhar com pessoas que não estão qualificadas para suas atividades, não é mesmo?

Dentre os principais desafios relacionados às capacitações, podemos citar a dificuldade de convencimento dos níveis superiores sobre as necessidades, a complexidade técnica de cada hard skill, os custos envolvidos com equipes internas, as dificuldades em medir e reportar os resultados de aprendizagem e o retorno dos investimentos.

Edtechs surgem como uma excelente oportunidade de solução destas lacunas, ao democratizarem o acesso ao conhecimento. No entanto, é adequado mensurar sua efetividade, visto que podem apresentar taxas de desistência superiores a 80%. Liberar milhares de licenças de estudo não é ação suficiente para obter ganhos notáveis, afinal, o conteúdo já está disponível gratuitamente na internet.

A aprendizagem individual é necessária, mas o desenvolvimento de uma cultura de aprendizagem contínua, que oriente, acompanhe e reduza os atritos do processo é urgente: profissionais de treinamento e desenvolvimento acreditam que colaboradores que aprendem juntos são 5,2 vezes mais propensos a serem engajados com a empresa, dedicam-se até 30x mais horas estudando e permanecem mais tempo na organização, segundo dados da pesquisa Linkedin Workplace Learning.

Neste contexto, novos termos como Educational Recruitment e Eduployment surgem, trazendo uma visão mais global e eficaz ao criarem fluxos de atração de capital humano em linha com a aceleração do aprendizado, reduzindo lacunas técnicas e comportamentais. Josh Bersin, consultor, fundador e CEO da Bersin by Deloitte e referência internacional em recursos humanos, traz o conceito de corporate capability academy: uma evolução da universidade corporativa para traduzir as necessidades das áreas em treinamentos 100% práticos, para evolução e gerenciamento do conhecimento interno.

Consertando um funil furado

E se a barreira inicial para a implementação destas ações for o custo, mude a mentalidade e utilize-o para aprovar as mudanças: ao calcularmos todos os custos envolvidos com novas contratações percebe-se que mais de 65 horas são dedicadas integralmente, podendo chegar a um volume alarmante de US$22,750.00 nos Estados Unidos, como calcula a startup Qualified.io. O custo pago hoje já ultrapassa o volume necessário para capacitar.

Soma-se a rotatividade alarmante verificada pelo setor de tecnologia e um baixo engajamento dos colaboradores quando ações concretas nesta linha não são percebidas, e o cenário ideal terá surgido para uma nova visão: atração e manutenção de talentos, com foco na diversidade, equidade e inclusão, acelerando jornadas comportamentais e técnicas promovendo de fato uma marca empregadora imbatível.

Compartilhar:

Autoria

Gustavo Maierá

É inovador insaciável, ajuda empresas a incluir pessoas através da educação tecnológica oferecida pela mesttra. Engenheiro Mecânico de formação, membro da Confraria do Empreendedor, participou de capacitações na Fundação Dom Cabral, Endeavor e Singularity University.

Artigos relacionados

Imagem de capa Treinamento corporativo em meio à natureza

Gestão de pessoas

13 Maio | 2022

Treinamento corporativo em meio à natureza

Parque Estadual de Vila Velha, no Paraná, oferece vivências customizadas a empresas

Sandra Regina da Silva

5 min de leitura

Imagem de capa A experiência do colaborador como estratégia no combate ao turnover

Gestão de pessoas

28 Abril | 2022

A experiência do colaborador como estratégia no combate ao turnover

A pandemia transformou o mercado de trabalho. E, para enfrentar a alta rotatividade de colaboradores, o RH também precisa se transformar

Leonardo Pujol

6 min de leitura

Imagem de capa Não corra o risco de inovar tarde demais

Tecnologia e inovação

27 Abril | 2022

Não corra o risco de inovar tarde demais

O impacto da transformação digital no mundo corporativo tem mais a ver com pessoas e relacionamentos do que com tecnologia

Natália Lazarini e Breno Barros

6 min de leitura

Imagem de capa A importância dos sistemas de gestão ao criar uma cultura de trabalho híbrido

Gestão de pessoas

27 Abril | 2022

A importância dos sistemas de gestão ao criar uma cultura de trabalho híbrido

Os sistemas de gestão reforçam os pontos mais valorizados pela empresa. Ao adotar o trabalho híbrido, é preciso entender as funcionalidades de cada sistema e planejar adaptações necessárias

Liliane Moura

6 min de leitura

Imagem de capa People analytics abre espaço para gestão humanizada do RH

Gestão de pessoas

20 Abril | 2022

People analytics abre espaço para gestão humanizada do RH

Mapear o capital humano com tecnologia ajuda a construir uma gestão mais eficiente, inclusiva e empática

Paulo César Teixeira e Leonardo Pujol

5 min de leitura

Imagem de capa Por que investir na requalificação de funcionários é estratégico?

Gestão de pessoas

08 Abril | 2022

Por que investir na requalificação de funcionários é estratégico?

Falta mão de obra capacitada no mercado. Para lidar com isso, práticas de qualificação e reciclagem como upskilling e reskilling precisam entrar em pauta nas empresas

Paulo César Teixeira

5 min de leitura