Empreendedorismo

3 min de leitura

Lições para as próximas gerações das empresas familiares

Confira cinco orientações para jovens que irão integrar, ou já ingressaram, em empresas familiares

Colunista Luiz Alexandre Garcia

Luiz Alexandre Garcia

11 de Junho

Compartilhar:
Artigo Lições para as próximas gerações das empresas familiares

Sendo um País relativamente novo, a condução das empresas familiares brasileiras ainda está nas mãos de segundas ou terceiras gerações – como é o meu caso, ocupando a terceira geração à frente de um grupo quase centenário, o Grupo Algar, fundado pelo meu avô (Alexandrino Garcia) e depois conduzido pelo meu pai (Luiz Alberto Garcia).

Assim como ocorreu comigo no passado, as quartas gerações estão, nesse exato momento, preparando-se para assumir esse imenso desafio, que vem carregado de uma grande responsabilidade: preservar o legado que foi responsável pelo sucesso até aqui e, ao mesmo tempo, ter a coragem de inovar e construir um futuro próspero. Para elas, alguns breves conselhos de quem já percorreu essa mesma jornada:

1. Ninguém herda uma empresa ou um ativo.

Uma nova geração de empresa familiar não herda somente ativos ou empresas, mas muito além disso. O que se herda é o legado familiar, que é intrinsecamente ligado ao propósito da organização. Herdamos os valores, que precisam permanecer sempre vivos, para fortalecer a cultura organizacional. Essa cultura é mais importante do que o próprio negócio em si – pois os negócios são dinâmicos e sempre mudam, mas a cultura, com seus princípios e valores, é perene.

2. É preciso olhar para fora para buscar as competências necessárias.

As novas competências, que serão a base das novas gerações, certamente passarão por hard e soft skills muito diferentes das anteriores. Antes de tudo, é preciso investir em uma excelente formação acadêmica, mas tendo clareza de que a parte teórica não se sustenta por si só. Ela é fundamental, porém precisa ser complementada com a vivência, tanto em experiências globais quanto em empresas que não fazem parte do círculo familiar. É importante trabalhar fora, ter um chefe, conhecer diferentes realidades e ter oportunidade de testar diferentes habilidades.

3. Não podemos ter medo do erro inteligente.

Ao assumirem posições em empresas de controle familiar, as novas gerações muitas vezes se sentem podadas ou com receio de tomar as decisões erradas e prejudicar um negócio já consolidado pelos antecessores. Porém, elas precisam se lembrar de que só há uma maneira de conseguir inovar e fazer diferente: testando. Para isso, não podemos ter medo de errar. Permitir-se o “erro inteligente” é imprescindível para quem deseja aprender, evoluir e construir um novo futuro para uma companhia.

4. O sucessor deve ser diferente do sucedido.

É inegável que existe muita pressão para as novas gerações de empresas familiares, mas algo que pode aliviar esse fardo é que ninguém espera que o sucessor seja igual ao sucedido. Isso tanto não faz sentido quanto seria, inclusive, prejudicial. Nessa lógica, é preciso considerar ainda que os desafios enfrentados por cada geração, em épocas distintas, são dinâmicos. No lugar de tentar se espelhar, o caminho é se inspirar e se diferenciar, sempre com paixão e respeito pelo legado que foi deixado.

5. A relevância da gestão e governança profissional não pode ser subestimada.

Prevalecia, até pouco tempo atrás, uma visão negativa sobre as empresas familiares, muitas vezes decorrente da ideia de falta de gestão e governança. Por isso, vale ressaltar que, por mais que exista expertise interna na família, ela não pode ser o único suporte de uma organização. É preciso ir além, pois, quando se implementa de fato uma governança profissional e com meritocracia, o desempenho das empresas de controle familiar alcança um outro patamar, já que ampliamos e evoluímos a nossa visão.

Liberdade

Como um grupo quase centenário, costumamos sempre dizer que as razões que contribuíram para o nossos bons resultados até hoje não serão as mesmas que garantirão nossa sobrevivência no mundo de amanhã. Com isso mente, as novas gerações das empresas familiares têm a liberdade de traçar um novo caminho e buscar sua luz própria – sempre com suor, amor, responsabilidade e respeito aos valores deixados e ao legado já construído.

Gostou do artigo de Luiz Alexandre Garcia? Saiba mais sobre gestão e liderança de empresa familiar assinando nossas newsletters e ouvindo nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Luiz Alexandre Garcia

Luiz Alexandre Garcia

É presidente do conselho de administração do Grupo Algar.

Artigos relacionados

Imagem de capa Inteligência de negócios para empreendedores

Empreendedorismo

14 Junho | 2021

Inteligência de negócios para empreendedores

Antes de pensar na contratação de tecnologia para criação de painéis e acompanhamento de indicadores, é necessário construir uma cultura de gestão e análise de dados coerentes com os objetivos da organização

Wilton Cardoso

4 min de leitura

Imagem de capa Lições para as próximas gerações das empresas familiares

Empreendedorismo

11 Junho | 2021

Lições para as próximas gerações das empresas familiares

Confira cinco orientações para jovens que irão integrar, ou já ingressaram, em empresas familiares

Luiz Alexandre Garcia

3 min de leitura

Imagem de capa Intraempreendedorismo de impacto no Brasil

Empreendedorismo

04 Junho | 2021

Intraempreendedorismo de impacto no Brasil

Evento da Semana Global do Intraempreendedor traduz a lógica de um ecossistema propício para o desenvolvimento do Intraempreendedorismo no país

Alda Marina Campos

6 min de leitura

Imagem de capa Gestão do tempo para empreendedores

Business content

31 Maio | 2021

Gestão do tempo para empreendedores

Ser o mestre do seu tempo e poder se preocupar apenas com o que é estratégico para sua empresa faz toda a diferença no desempenho dos negócios

Angela Miguel

4 min de leitura

Imagem de capa ESG também é para pequenas e médias empresas

Empreendedorismo

17 Maio | 2021

ESG também é para pequenas e médias empresas

Como criar e reconhecer ações das PMEs levando em conta questões socioambientais e de governança corporativa

Redação HSM Management

6 min de leitura