fb-embedComo atravessar a ponte da transformação digital? HSM Management

3 min de leitura

Como atravessar a ponte da transformação digital?

Anderson Gaspar

29 de Outubro

Compartilhar:
Artigo Como atravessar a ponte da transformação digital?

Quantas vezes você checou o seu celular hoje? Ou melhor, quantas mensagens você troca no WhatsApp em um dia? Saiba que, enquanto você lê esse texto, mais de quatro bilhões de espectadores assistem a vídeos online, e quase três bilhões e meio de pessoas usam as redes sociais via aplicativos mobile, segundo dados do relatório Global Digital Statshot, produzido pela agência We Are Social e pela plataforma de redes sociais, Hootsuite. Acontece que, durante todas essas atividades, dados e informações são gerados, e com eles, as organizações vêm trabalhando para chegar até o cliente final.

Um relatório da consultoria Altimeter, com mais de 500 executivos responsáveis por transformação, indicou que 55% dos grandes agentes da Transformação Digital estavam voltados à “evolução dos comportamentos e das preferências dos consumidores”. Vale frisar que a tecnologia é justamente a catalisadora e a alavanca dessas mudanças, trazendo novidades que impactam não apenas o mercado, mas alcançam diretamente o comportamento das pessoas. Além disso, tecnologias emergentes como IoT, Computação em Nuvem, Inteligência Artificial e Machine Learning, têm sido essenciais para transformar a rotina dos profissionais, tirando-os do ‘automático’ e levando-os a realizar atividades cada vez mais estratégicas.

Nesse contexto, dizer que as empresas buscam a reinvenção é discurso pronto. Importante é saber olhar para trás e aprender, relembrando por exemplo que a Blockbuster perdeu a chance de comprar a Netflix – que hoje fatura mais de três bilhões de dólares por ano. A realidade pede uma ação rápida e voltada às pessoas, sabendo que o que fez sucesso no passado, hoje pode não ser tão relevante. Mas o que já passou também não precisa, e nem deve ser tratado como inimigo.

E como isso funciona na prática? A tecnologia muda a vida das pessoas, e se você tem um papel gerencial, precisa estar atento aos processos e à gestão da companhia, relembrando as dores do negócio e procurando oportunidades para unir a ação humana ao que é automatizado ou até robotizado.

Vale lembrar que novas circunstâncias geram movimentos, e quando o ecossistema da empresa é engajado, tudo acontece mais rápido. Transformação digital exige a quebra dos silos organizacionais e a queda das barreiras que impedem a colaboração entre as áreas. É importante fomentar o apoio mútuo entre os setores, o que é fundamental para gerar bons resultados, e cabe aos gestores incentivar essa mudança.

Para os negócios entre empresas, as relações interpessoais também precisam ser consideradas, uma vez que podem influenciar o fechamento de bons contratos. Invista não apenas no conhecimento tecnológico, mas no trato com as pessoas. Conheça o seu cliente e as necessidades dele. Um portfólio ou um catálogo de produtos não é a solução, mas talvez um pequeno time com uma entrega ágil, sim.

No cenário business to business, executivos comerciais precisam estar preparados para atuar de modo consultivo, pois embora a tecnologia seja o cerne da discussão, são as pessoas que assinam os papéis.

As empresas de tecnologia têm a responsabilidade e o privilégio de liderar essa transformação e mostrar ao mercado o melhor lado da inovação. Os robôs não tiram o emprego das pessoas, mas os altera profundamente. Eles são a porta de uma capacitação melhor, avançada e que vai gerar novos resultados. 

Imagine se, de analista sênior, você passa a gestor de processos robotizados? Afinal, uma automação também precisa ser supervisionada. As profissões do futuro já existem no presente! Quem diria que um matemático hoje, pode ser o cientista de dados amanhã?

Não adianta fingir que a transformação digital não é com você; por isso, esteja atento às mudanças e tenha um compromisso com a transformação. Existem questões que a tecnologia vai responder, mas para atravessar essa ponte, a responsabilidade é nossa.

Compartilhar:

Autoria

Anderson Gaspar

Diretor Executivo de Vendas, Marketing e Parcerias da TIVIT

Artigos relacionados

Imagem de capa Tendências e transformação do RH – parte 1

Gestão de pessoas

15 Outubro | 2021

Tendências e transformação do RH – parte 1

Transformações ocorridas nos últimos anos, algumas antes da pandemia, reconfiguram o RH e revelam tendências que vão desde responsabilidade social até o fim de conceitos de negócio que duraram três décadas

Redação de HSM Management

7 min de leitura

Imagem de capa  Recrutamento e seleção com foco em abundância

Gestão de pessoas

15 Outubro | 2021

Recrutamento e seleção com foco em abundância

Seu processo de contratações em tecnologia está quebrado e eu te explico o porquê

Gustavo Maierá

4 min de leitura

Imagem de capa A experiência do candidato importa!

Dossiê: Jovens Talentos

14 Outubro | 2021

A experiência do candidato importa!

Jovens estão sempre em busca de uma oportunidade, e uma péssima experiência no processo seletivo pode significar muito mais do que a perda de um potencial talento

Sandra Regina da Silva

5 min de leitura

Imagem de capa Experiência do colaborador: responsabilidade do RH ou da liderança?

Gestão de pessoas

13 Outubro | 2021

Experiência do colaborador: responsabilidade do RH ou da liderança?

O cuidado com a trajetória do colaborador beneficia tanto o profissional quanto a empresa. Entenda quem deve liderar esse processo – e como executá-lo

Larissa Pessi

4 min de leitura