fb-embedEsqueça o equilíbrio entre vida pessoal e profissional HSM Management

Desenvolvimento pessoal

4 min de leitura

Esqueça o equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Hoje, casa e trabalho se misturam, mas há uma harmonia possível. Mais fluida, dinâmica e conectada – e sob sua responsabilidade

Colunista Daniela Diniz

Daniela Diniz

12 de Maio

Compartilhar:
Artigo Esqueça o equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Encontrar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional significava o maior símbolo de sucesso e realização. De um lado estavam, orgulhosos, aqueles que conseguiam segurar os pratinhos do escritório e de casa em perfeita harmonia. Do outro, as áreas de recursos humanos, satisfeitas, exibindo suas práticas mais humanizadas nas pesquisas de clima periódicas. Quem aí não se lembra das salinhas de descompressão, massagem de 15 minutos e os famosos pufes ou redes para estimular o cochilo pós-almoço dos funcionários?

Acontece que o mundo mudou muito rapidamente. Essa divisória que a era industrial nos impôs e que ainda insistimos em colocar em nossa rotina foi rompida há algum tempo, mais especificamente com a popularização dos smartphones.

Esses aparelhinhos, cada vez mais sofisticados, permitiram que passássemos a carregar o trabalho para a casa e a casa para o trabalho, integrando aos poucos a tal vida pessoal e profissional. Segundo uma pesquisa da Strategy Analytics, em 1994, 30 mil pessoas tinham acesso a um smartphone. Em 2012, uma realidade completamente diferente: 1 bilhão de seres humanos tinham um celular inteligente. Em junho de 2021, já era quase a metade da população mundial: 3,95 bilhões de usuários desse objeto que integra toda nossa vida, derrubando de vez o mito de que há um único horário específico e regrado para se conectar às atividades profissionais e outro para os afazeres pessoais e domésticos.

Não bastasse toda a tecnologia que já vinha desmistificando esse tal equilíbrio entre duas vidas, a pandemia escancarou de vez que a vida é uma só. Com chefe, filho, bichos de estimação e uma pilha de louça esperando para lavar.

Portanto, meus amigos, parem de tentar achar o equilíbrio perfeito entre a vida profissional e pessoal e tentem encontrar o melhor fluxo na sua rotina diária para combinar as atividades que cabem nas 24 horas do seu dia.

Trabalho só de segunda a sexta

Na era industrial, que pautou nossa forma de trabalhar durante anos (e ainda sussurra no nosso ouvido como devemos agir), havia uma divisão muito clara na nossa rotina. “Eu trabalho a maior parte do tempo, no restante eu vivo”.

Ou seja, o trabalho, para muitos, era um elemento de sobrevivência. Lá, na firma, na fábrica, no escritório, eu sobrevivo para garantir o sustento da minha vida, aquela parte pequenina que acontece das oito às dez da noite.

Parece terrível isso, não é mesmo? Sim, mas tem gente que tem saudade da época em que podia se desconectar do trabalho às seis da tarde na sexta-feira e se reconectar às oito da manhã na segunda-feira, com direito a sentir melancolia ao ouvir a música de abertura do Fantástico.

Seria mesmo melhor termos uma vida dividida em duas esferas em que você passa o tempo todo achando que o mundo ideal é encontrar a harmonia perfeita entre elas? Depende muito de como você recebe essa mistura de papéis e, principalmente, de como organiza essa vida única.

Mudança de mindset

Durante anos, fomos ensinados a acreditar que uma vida produtiva era a que se dedicava 100% ao trabalho duro. Pausa e folga eram coisas para se fazer depois, no além da aposentadoria. Portanto, fomos habituados a organizar nossa rotina dessa forma: trabalho antes, diversão depois, afinal a palavra produtividade não combinava com divertimento.

Na integração de vidas, você faz tudo junto, trabalha e se diverte, o que pode acontecer de domingo a domingo. Cabe a você, muito mais do que à empresa ou ao seu chefe, saber criar uma nova rotina, uma nova organização para sua agenda que permita incluir no expediente um passeio com o cachorro, um banho, uma leitura de uma hora, exercícios físicos e o que mais você quiser.

Mas, cabe? Cabe, porque não estamos mais falando de oito horas, mas de 24 horas livres para você administrar da forma que seu momento de vida e suas prioridades determinam.

Diferentemente do que muitos pensam, essa liberdade exige disciplina, além de autoconhecimento e uma boa dose de confiança. Sim, sem confiança no ambiente de trabalho e entre equipes, você volta a operar no modelo segunda à sexta, das 8h às 17h.

Hoje podemos fazer conexões, negócios e contratações sem sair de casa. E podemos sair de casa não exatamente para ir ao trabalho, mas pegar a estrada mais cedo na sexta-feira (ou na quinta, ou na quarta) e fazer um pouco de tudo que cabe na vida, inclusive trabalhar. É, eu não tenho dúvidas de que o mundo do trabalho evoluiu. A minha dúvida é se nós, trabalhadores, evoluímos.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Daniela Diniz

Daniela Diniz

Trabalho 4.0

Jornalista, com MBA em recursos humanos, acumula mais de 20 anos de experiência profissional. Trabalhou na Editora Abril por 15 anos, nas revistas Exame, Você S/A e Você RH. No Great Place to Work desde 2016, atua hoje como Diretora de Conteúdo e Relações Institucionais. Faz palestras em todo o país, traçando análises históricas e tendências sobre a evolução nas relações de trabalho e seu impacto na gestão de pessoas. Autora do livro Grandes Líderes de Pessoas, já visitou mais de 200 empresas analisando ambientes de trabalho.