fb-embedMulheres nos conselhos de administração: qual é a parte que te falta? HSM Management

Diversidade

1 min de leitura

Mulheres nos conselhos de administração: qual é a parte que te falta?

Grandes empresas devem ter mínimo de 30% de assentos femininos

Colunista Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

20 de Junho

Compartilhar:
Artigo Mulheres nos conselhos de administração: qual é a parte que te falta?

Na União Europeia, a representatividade feminina nos conselhos de administração de companhias listadas em bolsa vai deixar de ser apenas sinal de boas práticas. Vai passar a ser lei.

O Conselho e o Parlamento Europeu chegaram a um acordo para criar a legislação que impõe metas de equilíbrio de gênero para as empresas de capital aberto do bloco. Em conselhos com funções executivas, o mínimo será de 33%. Em ambos os casos, o prazo de adequação às metas é 2026. O texto prevê ainda que, em colegiados sem função executiva, o percentual mínimo de mulheres deve ser de 40% dos assentos.

No mesmo mês em que o bloco europeu avança mais um passo em direção à equidade em cargos de liderança, o Instituto Mulheres do Imobiliário firmou seu compromisso com o “30% Club”, uma campanha global liderada por presidentes e CEOs que atuam de forma voluntária para aumentar a diversidade de gênero nos níveis de diretoria e gerência sênior.

O “30% Club Chapter Brazil” foi lançado oficialmente em 2019. Desde então, serve para “influenciar a promoção do equilíbrio de gênero nos conselhos das 100 maiores companhias de capital aberto listadas na B3”, afirma a presidente da iniciativa no Brasil, Anna Guimarães.

Alguns setores já possuem 30% de conselheiras, com destaque para varejo e telecomunicações. Outros, menos preparados, estão se preparando para a mudança, como é o caso do imobiliário.

Guimarães indica que os fundadores de uma companhia que deseja abrir seu capital devem dar atenção à composição do seu conselho de administração. Afinal, é ele que irá governar a organização dali em diante.

Como a tendência europeia pode impactar quem ainda não se preparou para a mudança? Fique atento à parte que lhe falta e busque chegar, no mínimo, a 30%.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

Empresas Shakti

Elisa Rosenthal é a diretora presidente do Instituto Mulheres do Imobiliário. LinkedIn Top Voices, TEDx Speaker, produz e apresenta o podcast Vieses Femininos. Autora de Proprietárias: A ascensão da liderança feminina no setor imobiliário.

Artigos relacionados

Imagem de capa Contratação de minorias e LGPD: como lidar com a insegurança jurídica

Diversidade

30 Junho | 2022

Contratação de minorias e LGPD: como lidar com a insegurança jurídica

Lei Geral de Proteção de Dados impõe limites ao tratamento de dados pessoais na contratação de minorias. Mas isso não quer dizer que empresas devem deixar de buscar a inclusão e a diversidade

Priscila Novis Kirchhoff, Jackeline Gomes Falcão e Rafaella Medina Peres

5 min de leitura

Imagem de capa Como sua organização pode ser para todos e todas

Diversidade

29 Junho | 2022

Como sua organização pode ser para todos e todas

Esse é um longo caminho que passa ainda por inclusão, equidade e pertencimento

Fred Alecrim

3 min de leitura

Imagem de capa LGBTI+: as melhores empresas para trabalhar

Diversidade

29 Junho | 2022

LGBTI+: as melhores empresas para trabalhar

No Mês do Orgulho, foram divulgadas as 38 empresas reconhecidas por oferecem um ambiente mais inclusivo no mercado de trabalho brasileiro

Sandra Regina da Silva

3 min de leitura

Imagem de capa Inclusão e inovação caminham de mãos dadas

Diversidade

28 Junho | 2022

Inclusão e inovação caminham de mãos dadas

Promover a diversidade LGBTQIAPN+ nas empresas é algo deve acontecer o ano todo, não só em junho (e em todas as empresas, que agora têm exemplos para seguir)

Ana Paula Kagueyama

3 min de leitura